Quem somos

O mundo está mudando,
a forma de investir seu dinheiro também!


No âmbito do conceito inovador de economia digital, a CriptomoedasPortugal.pt tem por objetivo disseminar novos conhecimentos, procurando esclarecer e informar todos os interessados neste novo mercado e nas novas tecnologias direcionadas à economia e finanças na era digital.
O futuro já aí está e traz com ele muitas mudanças no mundo digital…

Missão

Disseminar e promover o conhecimento sobre criptomoedas de forma simples e objetiva, bem como dar a conhecer as formas mais eficazes de se utilizar e investir criptomoedas.

Visão

Sermos reconhecidos como referência no mercado nacional na divulgação do conhecimento sobre criptomoedas e na consultoria na área tecnológica e financeira envolvendo as moedas digitais.

Valores

Honestidade, transparência e dinamismo
 

O que são as Criptomoedas
e para que servem?


As criptomoedas nada mais são do que moedas virtuais, utilizadas para a realização de pagamentos em transações comerciais. Ou seja, na prática, elas possuem a mesma função de comprar mercadorias e serviços que as moedas já conhecidas por nós, como o euro ou o dólar.

Qual a diferença das criptomoedas para as moedas físicas?
Além do fato de serem completamente virtuais, existem três características básicas que diferenciam as criptomoedas das moedas regulares: a descentralização, o anonimato e custo zero de transação.

Criptomoedas: Características


A descentralização significa essencialmente que essas moedas não dependem de um banco central ou do Estado para a sua regulamentação, isto é, suas oscilações de preço ocorrem de acordo com a própria economia por trás da moeda, oferta vs procura. possuindo menor interferência do Estado do que tem uma moeda regular.
As transações com criptomoedas também garantem relativo anonimato ao usuário. Apesar de recentemente, as empresas do setor estarem a exigir maior controlo sobre os utilizadores deste mercado, é um facto que grande parte dos intervenientes ainda não requer nenhum tipo de informação pessoal para começar a utilizar o serviço, o que leva algumas pessoas a argumentarem que atividades ilegais, como tráfico de drogas e armas, poderiam ser facilitadas por esse meio.
O custo zero de transação é outra grande diferençal deste mercado. Não há nenhuma autoridade central para interferir impondo qualquer tipo de taxa às criptomoedas. As moedas regulares geralmente são emitidas por bancos centrais ou instituições governamentais, e todo o aparato por trás das transações entre indivíduos está vinculado à taxas definidas pelo governo e bancos onde se realiza a transação.
No caso das criptomoedas não existe uma autoridade central, portanto o custo das transações é praticamente zero. Por este motivo, as criptomoedas se tornaram uma alternativa viável principalmente para transações internacionais, em que as taxas podem ser bastante altas se realizadas por meios regulares.

Bitcoins


O Bitcoin foi a primeira criptomoeda a ser criada e é também a mais conhecida. Também referida como BTC ou até XBT.
É uma forma de dinheiro digital inovador.
Inicialmente apresentada em 2008 na lista de discussão The Cryptography Mailing por um programador ou grupo de programadores, sob o pseudonimo Satoshi Nakamoto, é considerada a primeira moeda digital mundial descentralizada, constituindo um sistema económico alternativo (peer-to-peer electronic cash system), e responsável pelo ressurgimento do sistema bancário livre.
A gestão de transações e a emissão de bitcoins são realizadas coletivamente pela rede através da Blocchain. Bitcoin é open-source; seu design é público, ninguém possui ou controla o Bitcoin e todos podem participar. Através de muitas de suas propriedades únicas, o Bitcoin permite usos fantásticos e inovadores que não podem ser cobertos por nenhum sistema de pagamento anterior. No entanto, os grandes movimentos especulativos de oferta e demanda mundial influenciam o seu valor no mercado de cambio, sendo definido livremente durante as 24 horas do dia.
O Bitcoin tem servido de inspiração para grandes agentes financeiros, sendo que vários bancos e empresas já aderiram à sua tecnologia (blockchain) ou estão estudando formas de a usar. Alguns até já pensam em criar e implantar suas próprias criptomoedas, o que significa uma forte tendência de crescimento deste mercado no futuro.

Altcoins são criptomoedas alternativas ao Bitcoin.


A maioria dos altcoins surgiu a partir de bifurcações ( fork ) do código-fonte do Bitcoin, com o intuito de modificar alguns parâmetros internos da rede do Bitcoin ou adicionar novas características.
O surgimento de uma nova criptomoeda, uma altcoin, o programador ou proprietário propõe-se a implementar diferentes caraterísticas que não são suportadas pelo Bitcoin (ou outras criptomoedas já existentes), como novos recursos de segurança, edições ou acréscimos à linguagem de script para suportar mais instruções, outros algoritmos de prova-de-trabalho, diferentes esquemas de mineração ou até a taxa com qual a recompensa pela mineração de blocos é efetuada ao longo do tempo.

Blockchain: Rapidez nas transações e segurança


Criptomoeda é, tal como referido, uma moeda digital que utiliza criptografia. Estas “moedas” ficam registradas em endereços virtuais que são chamados de carteiras digitais “wallet”. Elas podem ser transferidas de uma wallet para outra a qualquer momento pelos seus proprietários.
Essas transferências são chamadas de transações e são registradas de forma estruturada no que chamamos de blocos. Estes blocos são interligados em sequência, um ao outro, formando uma cadeia de blocos, que chamamos de “blockchain”.
Blockchain é uma espécie de banco de dados que funciona como um livro de registo público (livro-razão), no qual qualquer transação pode ser consultada a qualquer momento pelos usuários. A diferença é que o sistema de blockchain faz com que os blocos sejam criptografados de forma ligada um ao outro, garantindo que seus dados sejam imutáveis, pois para modificar uma transação, teria que modificar toda a cadeira de blocos subsequente. Esta caraterística de segurança é uma das fortes razões por que muitas empresas estão investindo no conhecimento desta tecnologia.
Como referido, a blockchain é uma tecnologia de registro distribuído que visa a descentralização como medida de segurança. São bases de registros e dados distribuídos e compartilhados que têm a função de criar um índice global para todas as transações que ocorrem em um determinado mercado. Funciona como um livro-razão, só que de forma pública, compartilhada e universal, que cria consenso e confiança na comunicação direta entre duas partes, ou seja, sem o intermédio de terceiros. Está constantemente crescendo à medida que novos blocos completos são adicionados a ela por um novo conjunto de registros. Os blocos são adicionados à blockchain de modo linear e cronológico. Cada nó - qualquer computador que conectado a essa rede tem a tarefa de validar e repassar transações. A blockchain possui informação completa sobre endereços e saldos diretamente do bloco génese até o bloco mais recentemente concluído.

Mineração


Neste processo de criptografia e registro das transações nos blocos da blockchain é que entra a mineração o trabalho dos mineradores.
Mineração de criptomoedas
Consiste em dedicar força computacional, seja utilizando processadores (CPU), placas gráficas (GPU) ou circuitos integrados específicos (ASIC) para auditar códigos com valores criptografados na web.
Chama-se Mineração porque se assemelha com a mineração de outras commodities que requerem esforço e lentamente, faz com que uma nova moeda esteja disponível a uma taxa que se assemelha à taxa de que as commodities como ouro ou o cobre são minerados do solo.
Qual é o trabalho dos mineradores?
Os mineradores fornecem o poder computacional necessário para encontrar a chave que criptografa os blocos e também fazem o registro de suas transações. Essa chave é chamada de “hash” e este processo não é feito de forma linear. A tarefa de encontrar o hash é feito através da resolução de cálculos que validam as transações, isso é feito de forma simultânea por todos os mineradores a cada novo bloco. Sempre que o hash correto é encontrado, e o resultado é postado na rede, ele recebe uma recompensa pelo trabalho. A partir daí, todos os mineradores passam a trabalhar na resolução do hash do próximo bloco.
É assim que o minerador é remunerado: cada bloco oferece uma recompensa fixa ao minerador que encontrou e também um valor complementar que são referentes às taxas cobradas para registro daquelas transações.
Como funciona a dificuldade de encontrar um bloco?
Como a quantidade de blocos é fixa em um determinado espaço de tempo e a rede da moeda ajusta a dificuldade automaticamente para que isso sempre aconteça, entende-se que quanto maior o seu poder computacional, maior a chance de você encontrar um bloco. Consequentemente, quanto mais mineradores fazendo este trabalho ao mesmo tempo, maior se torna a dificuldade de encontrar blocos na rede desta moeda.
Solução para moedas de grande dificuldade.
Agora imagine neste cenário, você minerando sozinho. Você estaria “competindo” com empresas gigantes, especializadas em mineração e que possuem um altíssimo poder computacional. Sua chance de encontrar um bloco provavelmente chega muito perto de zero, principalmente se você estiver minerando uma moeda muito concorrida, como o Bitoin ou Ethereum entre outras. É aí que entra o sistema de pool.
Pool de mineração.
Uma pool é uma espécie de cooperativa, onde uma empresa fornece um serviço que consegue unir os esforços de diversos mineradores na tarefa de encontrar os blocos, aumentando suas possibilidades de ganho. Ao encontrar um bloco, a pool faz uma distribuição da recompensa, proporcional à participação de cada membro.

Ligue Agora!